Por Psicologia do Luto, Vila. 

Mas o que é luto? Quando perdemos alguém que amamos, perdemos com ele sonhos e expectativas, perdemos a vida conhecida e desejada. O mundo parece vazio e torna-se necessário aprender a viver sem a pessoa amada. Isso não é uma tarefa simples. 

Um turbilhão de pensamentos, sentimentos e sensações que geram estranhamento e medos, além do receio de não conseguir continuar. 

O Luto não é pontual. É um processo de adaptação às mudanças decorrentes da perda. E quantas mudanças! Mudanças não desejadas, não escolhidas, mudanças impostas!

Luto é um processo natural, saudável e necessário. É o espaço para a reconstrução. 

Muitos questionamentos tomam conta do vazio deixado pela pessoa amada. Entre eles estão: como conviver com a ausência? Como lidar com a dor que a perda deixa e que parece que não terá fim? Como continuar a viver quando o sentido da vida parece não existir mais? 

Como acontece o processo de luto? Na busca de adaptação a esse novo mundo sem a pessoa amada, um mundo desconhecido, muitas oscilações acontecem. Tristeza, medo, raiva, saudade e, por vezes, até alívio, além de alterações na memória, atenção, concentração, percepção, sono e alimentação são reações que a dor da perda pode apresentar. 

Por vezes, parece que a dor toma conta de todos os espaços da vida e que nada mais faz sentido. Por vezes nos “distraímos” e nos voltamos para as demandas da vida, como um respiro que alivia o peso da ausência. E assim nessa oscilação, vamos buscando o novo equilíbrio.